Outras Edições

Em destaque Japão

Japão pede às universidades mais cuidado para aceitar estrangeiros devido ao risco de espionagem

As autoridades temem o vazamento de tecnologia para países como a China

Crédito: Reuters - 23/05/2022 - Segunda, 21:33h

Tóquio - O Japão está pedindo às universidades um maior cuidado na hora de aceitar estudantes e acadêmicos estrangeiros para evitar vazamentos de tecnologia para lugares como a China, em parte para sua própria segurança nacional, mas também para salvaguardar intercâmbios com universidades norte-americanas e europeias.

Embora muitos países ocidentais tenham medidas para impedir a espionagem em seus campi com triagem rigorosa e penalidades para violações, especialistas dizem que o Japão tem sido um elo fraco, devido à aceitação descontrolada de estudantes estrangeiros.

Uma série de prisões nos EUA de acadêmicos chineses nos últimos anos por suspeita de espionagem foi um alerta para o Japão, dizem autoridades.

"Em todo o mundo, os controles estão ficando mais rigorosos em nações estrangeiras como a China", disse um funcionário do Ministério do Comércio japonês que ajuda as faculdades a desenvolver maneiras de monitorar transferências de tecnologia e estudantes de alto risco.

"Queremos que as universidades japonesas sejam confiáveis ​​por seus controles de segurança e comércio para que a pesquisa conjunta com os Estados Unidos ou a Europa possa continuar", disse o funcionário, que não quis ser identificado porque não está autorizado a falar com a mídia.

Em um momento de interrupções na cadeia de suprimentos, roubo de propriedade intelectual e ataques cibernéticos, a segurança econômica tornou-se uma prioridade para os formuladores de políticas em todo o mundo e uma área vital de cooperação diplomática.

As autoridades não apontaram um incidente específico no Japão que motivou a campanha, mas disseram que o país precisa de uma melhoria na área, principalmente para que as faculdades possam manter laços com os EUA e outros parceiros ocidentais.

A medida para intensificar o monitoramento é parte de um esforço para expandir seus controles de exportação, em conjunto com um novo projeto de lei de segurança econômica aprovado este mês.

À medida que a tensão ocidental com a China cresce, o primeiro-ministro Fumio Kishida e o presidente dos EUA, Joe Biden, devem reafirmar uma maior coordenação em tecnologia, cadeias de suprimentos e outras áreas esta semana em Tóquio.

RISCOS 'REAIS E SÉRIOS'
De acordo com as novas diretrizes, em vigor este mês, as universidades estão sendo solicitadas a realizar verificações de antecedentes e sinalizar pessoas de interesse, como aquelas com vínculos com governos estrangeiros ou instituições relacionadas à defesa.

Anteriormente, a triagem era limitada a casos de pessoas que tentavam enviar informações e mercadorias potencialmente confidenciais para o exterior.

A nova triagem é projetada como uma camada adicional sobre os procedimentos de visto de imigração.

A embaixada dos EUA no Japão disse que acolheu as diretrizes revisadas. Em um comunicado enviado por e-mail à Reuters, afirmou que os Estados Unidos procurariam novas maneiras de ajudar o Japão e suas universidades a se protegerem contra o que chamou de desafios de segurança de pesquisa "reais e sérios" em ambos os países.

Muitas universidades japonesas estão desesperadas para preencher vagas à medida que o número de cidadãos em idade estudantil diminui em uma população envelhecida, e os estrangeiros forneceram uma tábua de salvação.

Os chineses representaram 44% dos 279.597 estudantes universitários estrangeiros do Japão em 2020, segundo dados do governo, enquanto os Estados Unidos foram o principal destino dos pesquisadores japoneses, seguidos pela China, em 2019.

'NÃO SOMOS OPERADORES DE INTELIGÊNCIA'
Mas ainda há dúvidas sobre a eficácia do novo sistema e alguns acadêmicos dizem que simplesmente não foram feitos para serem caçadores de espiões.

O processo é voluntário e depende de pouco mais do que pesquisas para determinar se os estudantes estrangeiros estão recebendo subsídios do Estado ou pretendem lidar com tecnologia relacionada à defesa.

Takahiko Sasaki, que supervisiona os controles de exportação na Universidade de Tohoku, disse que sua faculdade buscará promessas escritas de funcionários para não ensinar tecnologia sensível a estudantes ou outros membros do corpo docente com vínculos com entidades governamentais estrangeiras sem permissão.

Isso estaria no topo de uma política existente que pede que professores e alunos estrangeiros apresentem uma promessa por escrito de cumprir os regulamentos de controle de exportação japoneses, disse ele.

"Não somos operadores de inteligência. Verificar currículos e registros acadêmicos - essa deve ser a extensão do nosso trabalho como universidade."

No ano passado, a agência de inteligência do Japão soube que nove pesquisadores chineses voltaram para casa para trabalhar no setor de defesa depois de estudar tecnologias para mísseis hipersônicos em instituições japonesas por anos.

"As universidades precisam de dinheiro para continuar trazendo estudantes estrangeiros, mas algumas têm pouca noção de crise", disse Masahiko Hosokawa, ex-funcionário do Ministério do Comércio encarregado dos controles de exportação.

"Eles devem encontrar maneiras de operar sem cidadãos chineses."

Foto: Reuters
Compartilhe
Comentários

1532 vagas disponíveis em todo o Japão

1 ano
26 edições
¥5.980 ienes
ASSINE A
REVISTA
RECEBA SEM SAIR DE CASA
PARTICIPE DE TODAS AS NOSSAS PROMOÇÕES
qr code alternativa
Telefone
050-6860-3660
Fax
03-6383-4019
Nippaku Yuai Co., Ltd.
〒151-0071
Tokyo-to Shibuya-ku Honmachi 1-20-2-203