Outras Edições

Em destaque Economia

Premiê do Japão pede a grupos empresariais que aumentem salário de trabalhadores

Líder japonês pediu para os empresários e sindicalistas conterem a tendência de queda salarial

Crédito: Reuters - 06/01/2022 - Quinta, 09:53h
Tóquio - O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, pediu na quarta-feira (5) aos lobbies empresariais e sindicatos que trabalhem juntos para "reverter ousadamente" a tendência de baixa nos salários dos trabalhadores, enquanto o governo busca alcançar o que chamou de era do "novo capitalismo".

As empresas japonesas, há muito preocupadas com a perda de clientes e participação no mercado enquanto o país enfrenta a deflação, têm se preocupado em aumentar os salários ao longo dos anos. Em vez disso, muitas recorreram ao aperto do cinto para cortar custos, deixando os funcionários com salários baixos por décadas.

Desde que foi eleito em outubro, Kishida instou as empresas japonesas, cujos lucros se recuperaram aos níveis pré-pandêmicos, a aumentar os salários em 3% ou mais, com o objetivo de alcançar um ciclo de crescimento e distribuição de riqueza.

"Vamos lidar diretamente com a distribuição de riqueza para a classe média. Vamos gerar um ciclo virtuoso distribuindo o fruto do crescimento, levando ao próximo crescimento", disse Kishida em um encontro de Ano Novo da Keidanren, a principal federação de indústrias do país.

"Nas próximas negociações trabalhistas da primavera, espero que aumentos salariais adequados para uma era de novo capitalismo se materializem."

Kishida se tornou o primeiro primeiro-ministro em nove anos a participar do evento de Ano Novo da Keidanren.

Anteriormente, em uma reunião separada, Kishida pressionou os três lobbies empresariais do país, incluindo a Keidanren, para assumirem uma "postura agressiva" em relação à implementação de aumentos salariais, informou a agência de notícias Kyodo.

Kishida disse que aumentar os salários é "extremamente importante", pois uma forte recuperação da pandemia de COVID-19 exigiria a distribuição de riqueza para a classe média, de acordo com a agência de notícias.

"Agora é a hora de mudar a fase do ciclo de contração causado pela deflação para um ciclo virtuoso de crescimento e distribuição de riqueza", disse Kishida.

O governo, por sua vez, aumentou o apoio ao oferecer incentivos fiscais em um pacote econômico lançado em novembro para estimular as empresas a aumentar os salários.

Ainda assim, um forte aumento salarial é visto como uma tarefa difícil, visto que até mesmo as principais empresas japonesas e seus sindicatos concordaram em aumentos salariais anuais de apenas cerca de 2% nos últimos anos. No ano passado, as principais empresas japonesas ofereceram o menor aumento salarial em oito anos, já que a pandemia afetou os lucros corporativos.


Foto: iStockphoto

Compartilhe
Comentários

1364 vagas disponíveis em todo o Japão

1 ano
26 edições
¥5.980 ienes
ASSINE A
REVISTA
RECEBA SEM SAIR DE CASA
PARTICIPE DE TODAS AS NOSSAS PROMOÇÕES
qr code alternativa
Telefone
050-6860-3660
Fax
03-6383-4019
Nippaku Yuai Co., Ltd.
〒151-0071
Tokyo-to Shibuya-ku Honmachi 1-20-2-203