Outras Edições

Em destaque Coronavírus

Japão aumenta alerta e restrições para impedir entrada de variante Ômicron do coronavírus

Até o momento o país não detectou nenhum caso relativo à nova cepa

Crédito: Redação com Reuters - 29/11/2021 - Segunda, 10:05h
Tóquio – O Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão elevou seu alerta com relação à variante Ômicron, do coronavírus, para o nível mais alto, à medida que a cepa continua a se espalhar pelo mundo, publicaram as agências Kyodo News e Jiji Press. 

O Instituto segue a decisão da Organização Mundial de Saúde (OMS), ao designar a Ômicron, anteriormente tida como “variante de interesse”, elevando seus cuidados para o segundo nível, de um total de três faixas, para “variante de preocupação”. 

A cepa Ômicron tem cerca de 30 mutações em sua proteína spike, que o que a torna altamente contagiosa e resistente a vacinas, segundo o instituto japonês. 

Até o momento o governo do Japão não detectou nenhum caso da variante, mas infecções por Ômicron vêm sendo confirmadas na Europa e na Austrália, com várias nações impondo restrições de viagens para impedir uma maior disseminação da cepa. 

No domingo (28), o Japão acrescentou Moçambique, Malaui e Zâmbia à lista de nações sujeitas a regras de entrada mais rígidas após a descoberta da variante do coronavírus. 

O primeiro-ministro Fumio Kishida disse a repórteres no sábado (27) que o Japão quer aplicará "medidas de controle de fronteira sejam firmemente implementadas", um dia depois de começar a exigir que viajantes que tenham estado recentemente em Botswana, Eswatini, Lesoto, Namíbia, África do Sul ou Zimbábue cumpram 10 dias de quarentena em uma instalação designada pelo governo na chegada.

No período de dez dias os viajantes destes países devem fazer testes de coronavírus no terceiro, sexto e décimo dia após sua chegada.

NO EXTERIOR 

A detecção do Ômicron disparou o alarme global, fazendo com que os governos ao redor do mundo imponham novas restrições às viagens, temendo que a variante possa resistir às vacinações e impedir a reabertura econômica após uma pandemia global de dois anos.

A Grã-Bretanha disse que vai convocar uma reunião urgente dos ministros da saúde do G7 nesta segunda-feira (29) para discutir os acontecimentos.

Autoridades de saúde holandesas disseram que 13 casos da variante foram encontrados entre pessoas em dois voos que chegaram a Amsterdã vindos da África do Sul na sexta-feira (26). As autoridades testaram todos os mais de 600 passageiros dos voos e encontraram 61 infectados por Ômicron.

"Esta pode ser a ponta do iceberg", disse o ministro da Saúde, Hugo de Jonge, a repórteres.

A polícia holandesa disse ter prendido um casal que saiu de um hotel onde estava em quarentena após um teste positivo para COVID-19 e que tentava fugir do país.

A cepa Ômicron é potencialmente mais contagiosa do que as variantes anteriores e já foi detectada na Austrália, Bélgica, Botswana, Grã-Bretanha, Dinamarca, Alemanha, Hong Kong, Israel, Itália, Holanda, França, Canadá e África do Sul.

Muitos países impuseram proibições ou restrições a viagens na África do Sul para tentar conter a propagação. Os mercados financeiros despencaram na sexta-feira assim como os preços do petróleo.

A médica sul-africana que descobriu a nova cepa, Angelique Coetzee, presidente da Associação Médica da África do Sul, disse à Reuters que, ao contrário da Delta, até agora os pacientes não relataram perda de olfato ou paladar e não houve queda significativa nos níveis de oxigênio com a nova variante.

MEDIDAS EM ISRAEL 

No esforço de maior alcance para manter a variante sob controle, Israel anunciou na noite de sábado que iria proibir a entrada de todos os estrangeiros e reintroduzir a tecnologia de rastreamento por telefone para conter a propagação da variante.

O primeiro-ministro Naftali Bennett disse que a proibição, pendente da aprovação do governo, duraria 14 dias. As autoridades esperam que dentro desse período haja mais informações sobre a eficácia das vacinas contra a Ômicron.

O principal oficial de doenças infecciosas dos EUA, Anthony Fauci, disse ao presidente Joe Biden no domingo que levará cerca de duas semanas para ter informações mais definitivas sobre a transmissibilidade e outras características da Ômicron, disse a Casa Branca em um comunicado, acrescentando que Fauci acredita as vacinas existentes "provavelmente proporcionarão um certo grau de proteção contra casos graves de COVID".

Biden dará uma atualização sobre a nova variante e a resposta dos EUA nesta segunda-feira, disse a Casa Branca.

Na Grã-Bretanha, o governo anunciou medidas, incluindo regras de teste mais rígidas para pessoas que chegam ao país e exigindo o uso de máscara em alguns locais.

Mais países anunciaram novas restrições para viagens nas nações do sul da África no domingo, incluindo Indonésia e Arábia Saudita.

A África do Sul denunciou as medidas como injustas e potencialmente prejudiciais à sua economia, dizendo que está sendo punida por sua capacidade científica de identificar precocemente variantes do coronavírus.

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, disse no domingo que seu governo estava considerando a imposição de vacinação compulsória contra a COVID-19 para pessoas em certos lugares e atividades, e criticou os países ocidentais ricos pelo que chamou de imposição automática de proibições de viagens.

"A proibição de viagens não é informada pela ciência, nem será eficaz para prevenir a propagação desta variante", disse Ramaphosa. "A única coisa que fará é prejudicar ainda mais as economias dos países afetados e minar sua capacidade de responder à pandemia."

A nova variante também destacou as enormes disparidades nas taxas de vacinação em todo o mundo. Mesmo com muitos países desenvolvidos dando reforços de terceira dose, menos de 7% das pessoas nos países mais pobres receberam sua primeira injeção de COVID-19, de acordo com grupos médicos e de direitos humanos.


Foto: iStockphoto 

Compartilhe
Comentários

1364 vagas disponíveis em todo o Japão

1 ano
26 edições
¥5.980 ienes
ASSINE A
REVISTA
RECEBA SEM SAIR DE CASA
PARTICIPE DE TODAS AS NOSSAS PROMOÇÕES
qr code alternativa
Telefone
050-6860-3660
Fax
03-6383-4019
Nippaku Yuai Co., Ltd.
〒151-0071
Tokyo-to Shibuya-ku Honmachi 1-20-2-203