Outras Edições

Em destaque Economia

Premiê do Japão deve pedir às empresas aumento salarial de 3% nas negociações de 2022

O pedido abrange tanto funcionários efetivos quanto não efetivos

Crédito: Reuters - 26/11/2021 - Sexta, 09:51h

Tóquio - O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, deve instar o setor empresarial a aumentar os salários em cerca de 3% nas negociações trabalhistas do próximo ano com os sindicatos, informou a agência de notícias Kyodo nesta sexta-feira (26).

O pedido, que abrange tanto funcionários efetivos quanto não efetivos, será parte da iniciativa de Kishida para distribuir mais riqueza para as famílias e ajudar a aliviar a dor dos consumidores devido ao aumento dos custos do petróleo e dos alimentos.

A proposta será feita em painel governamental realizado ainda nesta sexta-feira. Pela primeira vez em quatro anos o governo estabelecerá uma meta numérica para as empresas no nível de aumento de salários.

Há incerteza, no entanto, se as empresas atenderão ao pedido de Kishida de aumentos salariais voluntários, já que muitas delas mantiveram o crescimento salarial baixo para proteger os empregos e resistir ao impacto da pandemia do coronavírus.

"Com o aumento da incerteza econômica, as empresas serão bastante cautelosas sobre o aumento dos salários", disse Takumi Tsunoda, economista sênior do Shinkin Central Bank Research Institute.

"Será muito difícil conseguir um aumento salarial de 3%, já que a economia não está se recuperando tão fortemente quanto o governo esperava."

O ex-primeiro-ministro Shinzo Abe teve pouca sorte em aumentar os salários, apesar dos repetidos pedidos para que as empresas repassassem os enormes lucros que ganharam com suas políticas de estímulo "Abenomics".

Nas negociações do ano passado para definir salários para 2021, as empresas japonesas ofereceram os menores aumentos em oito anos, já que a pandemia afetou os lucros corporativos.

O lento crescimento dos salários tem sido um dos fatores que impediram o Banco do Japão de atingir sua meta de inflação de 2%, uma vez que mina o poder de compra das famílias e desencoraja as empresas de cobrar mais por seus produtos.

Parte dos esforços para sustentar uma economia ainda estagnada, o Japão revelou na semana passada um pacote de gastos recorde de US$ 490 bilhões, contrariando uma tendência global de retirada das medidas de estímulo do modo de crise.

O pacote incluiu financiamento para aumentar os salários fixados pelo governo para enfermeiras e assistentes de idosos em 3%.

Foto: Reuters
Primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida
Compartilhe
Comentários

1237 vagas disponíveis em todo o Japão

1 ano
26 edições
¥5.980 ienes
ASSINE A
REVISTA
RECEBA SEM SAIR DE CASA
PARTICIPE DE TODAS AS NOSSAS PROMOÇÕES
qr code alternativa
Telefone
050-6860-3660
Fax
03-6383-4019
Nippaku Yuai Co., Ltd.
〒151-0071
Tokyo-to Shibuya-ku Honmachi 1-20-2-203