Outras Edições

Em destaque Japão

Pandemia abre portas para novos empregos no Japão, mas renda continua baixa

Os que buscam outros trabalhos tendem a trocar uma carreira de baixa remuneração por outra

Crédito: Reuters - 26/10/2021 - Terça, 11:26h

Tóquio - A pandemia de Covid-19 ajudou inesperadamente as casas de repouso e as empresas de tecnologia da informação (TI) japonesas a superar anos de escassez de mão de obra, já que cortes de empregos em restaurantes e hotéis levaram os trabalhadores a buscar novas carreiras.

Essa recém-descoberta mobilidade profissional marca uma mudança em um país cujas rígidas práticas trabalhistas são parcialmente responsabilizadas por um declínio de produtividade a longo prazo.

Mas é muito cedo para dizer se a mudança acabará resultando em salários mais altos, que são desesperadamente necessários para reavivar a demanda e o crescimento em uma economia que ainda luta para se livrar de décadas de deflação.

Por enquanto, os que buscam empregos tendem a trocar uma carreira de baixa remuneração por outra.

Toshiki Kurimata, que costumava ganhar ¥2,8 milhões por ano como massagista, saiu da carreira após 12 anos, pois a pandemia causou uma queda acentuada no número de clientes. Agora ele trabalha em um centro de cuidados de enfermagem e está fazendo aulas para se tornar um cuidador registrado.

Com essa qualificação, ele espera ganhar cerca de ¥3,3 milhões, um aumento de cerca de 18%. A atração ainda maior, diz ele, é a estabilidade no emprego.

“Gosto de trabalhar na área de enfermagem e esse emprego é estável”, disse Kurimata. "Não existem limites de idade para o trabalho e você pode encontrar vaga mesmo se, como eu, for inexperiente."

Os especialistas não têm certeza se a troca de empregos permanecerá limitada a determinados setores ou se se tornará uma tendência mais ampla.

Também é incerto se a mudança de emprego continuará depois que a pandemia acabar, embora evidências sugiram que as pessoas continuarão deixando os empregos em serviços de alimentação por enfermagem e TI.

O Japão espera ter uma escassez de 690.000 profissionais de saúde até 2040, uma lacuna difícil de preencher devido ao rápido envelhecimento da população.

BAIXA RENDA
Os dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) colocam a produtividade do trabalho por hora do Japão em US$ 47,9, representando cerca de 60% do nível dos Estados Unidos, o pior entre as economias avançadas do Grupo dos Sete (G7), e 21º entre os 37 membros da OCDE em 2019.

E a perspectiva de as pessoas ficarem presas em empregos de baixa renda representa um grande desafio para o novo primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, que prometeu trazer mais riqueza para as famílias por meio de salários mais altos.

"Os efeitos da Covid-19 estão empurrando os trabalhadores de baixa remuneração para situações ainda mais difíceis com pouco ou nenhum aumento salarial", disse Hisashi Yamada, economista sênior do Japan Research Institute.

As empresas de administram hotéis e restaurantes dispensaram funcionários, com o número caindo para 3,9 milhões em 2020, ante os 4,2 milhões do ano anterior, mostraram dados do Ministério do Trabalho.

Em contraste, o setor médico e de saúde viu funcionários atingindo 8,6 milhões, mais 200.000 em relação a 2019. O setor de TI contratou 2,4 milhões de funcionários, aumento de 100.000 em relação a 2019.

TREINAMENTO DE TRABALHO
As escolas de formação profissional foram beneficiadas.

A Samurai, que oferece treinamento em TI, teve 1,7 vez mais alunos matriculados em abril de 2021 em comparação com o ano anterior, pois os funcionários demitidos durante a pandemia correram para fazer cursos.

A maioria dos empregos de TI oferecidos para trabalhadores inexperientes é para programadores, no degrau mais baixo da escada profissional, mas eles geralmente ainda pagam mais do que os setores de restaurantes e hotéis.

O salário médio anual para funcionários em restaurantes e lares de idosos é de cerca de ¥3 milhões, 30% menos do que o salário médio de um trabalhador comum, mostram dados do governo. Os programadores de TI ganham perto da média nacional.

"Eu vi o quão popular o setor de TI era e pensei que poderia conseguir um emprego estável", disse Koki Shimizu, um estudante de 22 anos da Samurai que perdeu o emprego como chef de cozinha e agora está aprendendo a programar.

O presidente da Crie, Takayuki Nakayama, que oferece treinamento em cuidados de enfermagem, espera que a tendência de alta continue, dadas as ofertas de emprego constantes nesse setor.

"É verdade que os salários são relativamente baixos na área de cuidados de enfermagem. Mas muitos candidatos a emprego querem estabilidade depois de ver os danos infligidos a restaurantes e outras empresas do setor de serviços."

Os varejistas também estão ficando alarmados com a perda de funcionários, já que contam com uma retomada da atividade à medida que o Japão diminui gradativamente as restrições causadas pela Covid-19.

A rede de restaurantes Watami está lutando para contratar 100 funcionários em meio de carreira este ano - algo que não fazia há três anos - e estima que eventualmente terá que pagar mais.

"1.000 ienes por hora podem não ser suficientes, 1.500 ienes podem ser necessários para atrair trabalhadores no futuro", disse o presidente-executivo da empresa, Miki Watanabe.

Por enquanto, as empresas estão receosas de aumentar os salários, já que a economia ainda está lutando contra a pandemia.

Foto: Reuters
Uma mulher usando máscara passa por mesas vazias em um restaurante em Shibuya, Tóquio
Compartilhe
Comentários

1237 vagas disponíveis em todo o Japão

1 ano
26 edições
¥5.980 ienes
ASSINE A
REVISTA
RECEBA SEM SAIR DE CASA
PARTICIPE DE TODAS AS NOSSAS PROMOÇÕES
qr code alternativa
Telefone
050-6860-3660
Fax
03-6383-4019
Nippaku Yuai Co., Ltd.
〒151-0071
Tokyo-to Shibuya-ku Honmachi 1-20-2-203