Outras Edições

Em destaque Japão

Além da chuva e inundação, os governos se preocupam com a disseminação do vírus em abrigos

Algumas medidas como a limitação de evacuados e medição da temperatura já estão sendo tomadas

Crédito: Redação - 05/07/2020 - Domingo, 13:37h
Kyushu – Os governos provinciais estão preocupados com a disseminação do coronavírus nos abrigos durante as chuvas torrenciais no sudoeste do Japão. 

Com o aumento do número de pessoas que buscam refúgio nestes locais, o acesso acaba sendo restrito a uns poucos pela necessidade de se manter no ambiente o distanciamento social e outras medidas sanitárias adequadas.

Cerca de 203.200 moradores receberam ordem para evacuar na província de Kumamoto em Kagoshima neste fim de semana. 

Pelo menos 871 pessoas foram evacuadas para 109 abrigos em Kumamoto.

Em Minamata, na província de Kumamoto, o governo municipal abriu cerca de 10 abrigos que receberam mais de 200 evacuados logo depois de instruir mais de 20.000 moradores a evacuar no início de sábado.

As autoridades mediram a temperatura corporal para verificar as condições de saúde de cada um e garantiram espaço entre eles para reduzir o risco de infecções por coronavírus.

Como o espaço não era suficiente, outros 69 se abrigaram em um escritório de bombeiros localizado em um terreno alto.

"Tínhamos capacidade para 60 evacuados aqui no passado. Mas, considerando o distanciamento social, agora podemos abrigar apenas 30. Tivemos que pedir a alguns evacuados que se mudassem para outro refúgio", disse Toshihiko Nakamura, funcionário do corpo de bombeiros.

O ritmo de aumento das infecções por vírus diminuiu no Japão, mas está aumentando depois que o estado nacional de emergência foi encerrado no final de maio. 

O número total de infecções superou os 20.000 no sábado, com casos em Tóquio representando um terço da contagem. Em Kumamoto, apenas 48 casos foram relatados.

Alguns evacuados optaram por se refugiar em seus carros, com medo de serem infectados com o vírus nos abrigos. 

Os governos municipais distribuíram folhetos alertando sobre a síndrome da classe econômica, que ocorre quando as pessoas permanecem na mesma posição por um longo período.

O governo municipal de Amakusa, também em Kumamoto, pediu aos evacuados que desinfetassem as mãos e verificaram a temperatura do corpo de acordo com um manual compilado e distribuído a todos.

Uma pessoa queria se abrigar, mas contou que estava no período de monitoramento para verificar se havia uma possível infecção por coronavírus. 

O governo local disse à pessoa para ir a um centro de evacuação com compartimentos individuais.

Na vizinha Kagoshima, um governo local abriu cerca de 100 abrigos. 

Os responsáveis por um dos refúgios fizeram questão de ventilar o ar periodicamente e manter a distância entre os evacuados.

"Não tínhamos tantos refugiados por abrigo", disse um deles, notando que em junho foi pedido aos moradores que considerassem refugiar-se nas casas de amigos ou conhecidos em tempos de desastres, como parte de medidas para reduzir o risco de infecção nos abrigos. 

O governo central pediu aos municípios que tomem medidas contra o coronavírus ao operar abrigos de evacuação.

Enviou camas feitas de caixas de papelão e termômetros para Kumamoto antes de receber esse pedido da província.


Foto: Reprodução/ANN

Compartilhe
Comentários

318 vagas disponíveis em todo o Japão

1 ano
26 edições
¥5.980 ienes
ASSINE A
REVISTA
RECEBA SEM SAIR DE CASA
PARTICIPE DE TODAS AS NOSSAS PROMOÇÕES
qr code alternativa
Telefone
050-6860-3660
Fax
03-6383-4019
Nippaku Yuai Co., Ltd.
〒151-0071
Tokyo-to Shibuya-ku Honmachi 1-20-2-203