Outras Edições

Em destaque Economia

Adiamento da Olimpíada: mais um duro golpe na economia japonesa

“Agora estamos enfrentando uma situação muito grave”, disse um economista

Crédito: Reuters - 25/03/2020 - Quarta, 10:49h

Tóquio - O adiamento da Olimpíada é um duro golpe que quase certamente levará a economia persistentemente fraca do Japão, a terceira maior do mundo, à recessão.

Para o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que tenta revitalizar o crescimento por meio de um mix maciço de flexibilização monetária, reformas de governança e do turismo, o surto de coronavírus desmontou o que deveria ter sido um ano olímpico triunfante.

Abe já prometeu um “enorme” estímulo para combater o coronavírus, que envolverá pelo menos 137 bilhões de dólares em gastos, disseram fontes à Reuters. Parte disso será financiado por novos empréstimos, apesar da péssima posição fiscal do Japão.

“Agora estamos enfrentando uma situação muito grave”, disse Hiroshi Ugai, economista-chefe do JPMorgan Securities Japan, à Reuters.

O JP Morgan estima que o adiamento dos Jogos reduzirá 1,1 trilhão de ienes (10 bilhões de dólares), ou 0,2%, da economia este ano.

Embora isso possa não parecer muito, ocorre em um contexto em que o coronavírus prejudica o turismo e pressiona as pequenas e médias empresas, levantando a perspectiva de um aumento nas falências.

A pandemia também ameaça frear o consumo.

Depois, há o impacto sobre a confiança das famílias, das empresas e dos investidores - o que pode ser considerável para uma sociedade em envelhecimento que há muito luta, muitas vezes sem sucesso, para escapar da deflação.

EFEITO DO CORONAVÍRUS NA ECONOMIA GLOBAL
A atividade empresarial entrou em colapso da Austrália e do Japão à Europa Ocidental em um ritmo recorde em março, à medida que ações para conter o coronavírus golpeiam a economia mundial.

Nos Estados Unidos, a atividade de negócios recuou ainda mais em março, atingindo uma mínima recorde, com a pandemia de coronavírus pressionando os setores de manufatura e serviços e reforçando a visão dos economistas de que a economia norte-americana já está em recessão.

O IHS Markit disse nesta terça-feira que seu Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês Composto preliminar caiu para uma leitura de 40,5 este mês. Esse foi o nível mais baixo de todos os tempos, ante 49,6 em fevereiro. Uma leitura abaixo de 50 indica contração.

“O surto de coronavírus representa um grande choque externo para a perspectiva macro, semelhante a um desastre natural em larga escala”, disseram analistas do BlackRock Investment Institute em nota.

A atividade nos 19 países que usam o euro desmoronou, conforme os países determinaram paralisação de serviços para conter a propagação da doença, fechando lojas, restaurantes e escritórios.

O dado preliminar do PMI composto do IHS Markit para a zona do euro —visto como um bom indicador de saúde econômica— desabou a uma mínima recorde de 31,4 em março.

Essa foi de longe a maior queda de um mês desde que a pesquisa começou em meados de 1998 e veio abaixo de todas as previsões de uma pesquisa da Reuters, que havia mostrado leitura de 38,8, pela mediana das estimativas.

O IHS Markit disse que os números de março sugerem que a economia da zona do euro está encolhendo a uma taxa trimestral de cerca de 2%, e a escalada das medidas para conter o vírus poderá agravar a crise.

No Japão, as pesquisas do PMI mostraram que o setor de serviços encolheu em seu ritmo mais rápido já registrado neste mês e que a atividade fabril contraiu na velocidade mais rápida em uma década.

Os dados são consistentes com uma retração de 4% em 2020, disse o economista sênior da Capital Economics, Marcel Theliant. O adiamento das Olimpíadas de Tóquio deve causar um duro golpe à terceira maior economia do mundo.

ESTÍMULO INFINITO
Com a maioria dos mercados financeiros afundando, os bancos centrais globais vêm adotando medidas extraordinárias quase diariamente para deter o colapso.

Mas alguns analistas dizem que a flexibilização infinita da política monetária pode não ser suficiente e as etapas fiscais são cruciais. O mais recente esforço dos EUA nessa frente permanece estagnado no Senado, pois os democratas disseram que o pacote analisado reservava muito pouco dinheiro para hospitais e limites insuficientes de financiamentos a grandes empresas.

“Para que a economia norte-americana possa sair da crise atual e da recessão relativamente ilesa, serão necessárias intervenções de política mais radicais nas próximas semanas”, disse Anna Stupnytska, chefe global de estratégia macro e de investimentos da Fidelity International.

Foto: Reuters
Compartilhe
Comentários

204 vagas disponíveis em todo o Japão

1 ano
26 edições
¥5.980 ienes
ASSINE A
REVISTA
RECEBA SEM SAIR DE CASA
PARTICIPE DE TODAS AS NOSSAS PROMOÇÕES
qr code alternativa
Telefone
050-6860-3660
Fax
03-6383-4019
Nippaku Yuai Co., Ltd.
〒151-0071
Tokyo-to Shibuya-ku Honmachi 1-20-2-203