Outras Edições

Serviços Saúde

Como evitar doenças do verão japonês

A estação é úmida e intensa, podendo provocar indisposição, o chamado natsubate, e a fatal hipertermia

Crédito: Thassia Ohphata/Alternativa - 31/05/2014 - Sábado, 19:14h

 

No Japão, as temperaturas e umidade do ar elevadas durante o verão formam um cenário propício para a sensação de mal-estar e diversos sintomas bastante desagradáveis. Indisposição às atividades diárias, dificuldade de raciocínio e concentração, falta de apetite, diarreia, prisão de ventre, dor de cabeça, tontura e febre são alguns dos sintomas do chamado natsubate (夏バテ)em japonês, um dos vilões dessa estação. Esse mal é causado pelo frequente choque térmico entre a temperatura e a umidade natural com o ambiente resfriado artificialmente (dentro de casa, lojas, restaurantes, meios de transporte).

 
A sudorese excessiva faz com que ocorra uma diminuição de líquidos (água) do corpo, causando mal-estar e sensação de fraqueza. A alta umidade do ar impede a evaporação do suor depositado sobre a pele, fator do acúmulo de calor dentro do corpo (febre não exteriorizada). “Toda essa situação causa indisposição, diminuição do apetite e dificuldade de dormir”, explica a médica Elza Nakahagi, que presta atendimento no programa Disque-Saúde.


Uma alimentação balanceada, rica em proteínas, verduras e vitaminas (A, B1, B2, B6, C) são indicados para o tratamento do natsubate. Nesta época do ano, a médica indica o consumo de arroz integral, carne de porco, enguia (unagi), sardinha, soja e seus derivados, laticínios, fígado, ervilhas, frutas cítricas (laranja, limão, grapefruit, kiwi), brócolis, inhame, condimentos e ervas (gengibre, salsão, hortelã, manjericão, salsinha, etc).


Além disso, é muito importante manter sempre o corpo hidratado com muita água para repor os sais perdidos no suor. Também podem ser consumidas as bebidas ionizadas (bebidas esportivas, chamadas de sport drinks). “Beba sempre a água aos goles para dar o tempo de absorção pelo organismo. Cuidado para não tomar líquidos gelados em grande quantidade num gole só, pois isso dilui repetidamente o suco gástrico, diminuindo o apetite”, recomenda a médica. “Colocar uma pitada de sal no copo de água também ajuda”, acrescenta ela.


O repouso e um banho matinal um pouco quente (entre 41º e 42º) também podem ajudar no tratamento do mal. “O banho aumenta o estímulo nervoso e deixa o organismo disposto”, explica a médica.


Ar-condicionado
Com o forte calor, é comum deixar o ar-condicionado na temperatura mínima, o que na verdade é um erro. Elza aconselha manter o aparelho cinco graus abaixo da temperatura do meio externo e utilizar um ventilador para circular o ar do recinto e deixá-lo direcionado contra a parede para evitar o vento direto ao corpo. “Isso evitará o choque térmico entre ambos os ambientes”, revela ela, que recomenda também não dormir com o ar-condicionado ligado. “Deixe sempre o timer ajustado, desligando uma hora após o sono e ligando-o 30 minutos antes do horário de se despertar.”


Outras medidas podem ajudar na prevenção do natsubate: banhos ao voltar de atividades externas para eliminar o suor acumulado na pele; carregar uma toalha úmida para enxugar constantemente o suor e ter sempre uma garrafa de água (com uma pitada de sal) para a hidratação constante. “Se a pessoa não tomar esses cuidados, ela poderá sofrer com as complicações e desgastes no outono. No Japão, temos as quatro estações bem definidas e o nosso organismo tem dificuldades de adaptação entre um período e outro”, destaca a médica.
 

Bebês e crianças
Na maior parte do tempo, os bebês e as crianças são as grandes vítimas do calor intenso. Os cuidados com os pequenos devem ser redobrados durante toda a estação, principalmente em relação à hidratação do corpo e também com a pele. “Evite refrigerantes e sucos, tenha sempre uma garrafinha ou cantil com água com uma pitadinha de sal para repor o que foi perdido no suor e beba em pequenos goles”, aconselha a Elza.


Para proteger a pele sensível, evite o sol forte das 10h às 15h e use chapéu de aba larga. Além disso, a médica recomenda o uso de peças de manga comprida de tecido leves fino e, de preferência, de algodão, para proteger da exposição solar e da insolação (nisshabyou, 日射病). “Os brasileiros têm aquela falsa impressão de que refresca mais expor os braços ao sol”, explica a médica.


Hipertermia
Outro cuidado no verão é com a hipertermia (necchuushou, 熱中症), que ocorre quando há uma exposição em ambiente de alta temperatura e o corpo fica incapacitado de promover a perda de calor ou reduzir a produção de calor. Há uma disfunção do sistema termorregulador, desregulando o nível de líquido e sais minerais do corpo e podendo levar até a morte.


Entre os sintomas leves estão tonturas, dor muscular, transpiração excessiva; sintomas médios: dor de cabeça, náusea, fadiga, letargia e em casos graves inconsciência, reação estranha ao chamado, convulsão e dificuldade para andar.


A hipertermia pode surgir, principalmente, na prática de exercícios físicos intensos e prolongados sem adequada hidratação e boa transpiração. A princípio surgem sede, fadiga e cãibras intensas. Em seguida, o mecanismo termorregulador começa a entrar em falência e começam a surgir sintomas mais graves como náuseas, vômitos, entre outros. “A prática de esportes é conveniente em qualquer situação, mas é preciso estar atento e não fazer de repente um exercício que não estava acostumado. Os movimentos devem ser sempre gradativos para evitar acidentes”, afirma a médica.


Foto: Banco de imagens

 

Compartilhe
Comentários
1 ano
26 edições
= 4.500 ienes
ASSINE A
REVISTA
RECEBA SEM SAIR DE CASA
PARTICIPE DE TODAS AS NOSSAS PROMOÇÕES
qr code alternativa
Telefone
050-6860-3660
Fax
03-6383-4019
Nippaku Yuai Co., Ltd.
〒151-0072
Tokyo-to Shibuya-ku Hatagaya 1-8-3
Vort Hatagaya 8F